O jeito jovem de não ficar sem futebol nas férias

O Corinthians já ganhou o Brasileirão, o América levou a Série “B”, a Ferroviária é a representante que a Copa Paulista indicou para a Série “D” e a Internacional de Limeira também finalista, vai à Copa do Brasil. O futebol profissional vai entrando em férias e as atenções se voltam para os poucos torneios que vão se encerrando e para a Copa São Paulo de Futebol Júnior. A Copinha, organizada pela Federação Paulista terá início logo após as festas de “Reveillon” e se encerra dia 25, aniversário da Metrópole. É dispensável o repetitivo discurso sobre os craques que passaram pelo “vestibular do futebol”. Como vinha acontecendo, novo recorde de participantes: 128 equipes, em 32 chaves.

O grande “papão” do torneio é o atual campeão, o Corinthians. Estará no grupo 17, em Araraquara, com a Ferroviária local, o Pinheiro/ MA. e a Corumbaense. O Palmeiras (luta por título inédito, como Botafogo e Grêmio) é a grande atração do grupo 27, em Taubaté. O Botafogo de Ribeirão Preto será o anfitrião do São Paulo. Integrarão o grupo 10. O Santos não deverá encontrar grandes dificuldades em Novo Horizonte, pelo grupo 04. Ponte Preta, Fluminense, Internacional, Paraná, Cruzeiro, Botafogo, Flamengo, Atlético M. G., o Paranaense, Vasco, América/ M. G., Portuguesa, Grêmio, Goiás, Flamengo, Coritiba, Juventus, Bahia, Ceará, Nacional e o vice-campeão mineiro Araxá seriam as principais atrações.

O nível técnico a partir da segunda fase é ótimo, mas com tantas equipes, façam suas apostas, pois se trata de uma verdadeira loteria, arriscar o campeão. O Fluminense, segundo maior ganhador da competição tem colhido bons frutos do distrito de Xerém, em Caxias. O Internacional, terceiro em conquistas não deve ser desprezado. Flamengo, Vasco e Palmeiras têm contribuído com as seleções nacionais de base. Copa São Paulo: o jeito jovem de não ficar sem futebol nas férias.

COMPARTILHAR
Paulo César Borges
Paulo Cesar Borges é jornalista graduado em Uberlândia, tendo atuado por 24 anos em emissoras de rádio, tv e em um jornal da região. Realizou coberturas jornalísticas em três países. Sua atuação anterior foi o retorno à rádio Educadora, por onde atuou nos anos 1990. Foi exatamente em 1990 que iniciou em 04 de janeiro sua trajetória na imprensa através do rádio. Passou várias vezes pelo prefixo 580 Khz (hoje Rádio América) e por nove anos defendeu as cores da Rádio Cultura AM.

DEIXE SEU COMENTÁRIO