Jogando merda no ventilador

O pessoal do Manchete Esportiva enviou pra nós colunistas o áudio gravado do programa do Vander Tomás, e na ocasião estava o vice-presidente  Flavio Gomide sendo questionado sobre sua candidatura para as eleições no verdão. O que mais me assustou na conversa toda foi o motivo que o Flavio pontuou para a separação da chapa da situação.  Não dá pra escrever tudo que ouvi mas vou deixar aqui o que acho mais importante.

Vaidade a ponto de barrarem o projeto das torres, sabe por que? Mesmo sendo fantástico para o Verdão, este projeto fortaleceria o Flavio nas eleições. Como assim???

Os principais nomes da atual situação não podem mais sentarem juntos por rixa, essa que o Flavio disse mais ou menos assim: “A não gosta de B; B quer eliminar C; C não conversa com D; D é brigado com A acabam se abraçando nas arquibancadas do estádio em dia de jogo.  Meu Deus!  

Acho que essa racha demorou tempo demais para acontecer, mas agora a questão já não é só essa, porque em época de campeonato o ideal é descobrir quem puxa para trás e afastar o cara, mas como o período agora é de eleição, e baseado no que eu ouvi nessa entrevista,  cabe aos votantes resolver esse sério problema de uma vez por todas nas urnas.

Após ouvir esse áudio da rádio Vitoriosa, me deu uma vontade louca de pesquisar um pouco mais sobre os bastidores da “casa da mãe Joana” e algo me deixou muito grilado e sem respostas.

PORQUE O PRESIDENTE GUTO PRESTOU CONTA APENAS DO ANO DE 2017?  Ele esteve à frente do Verdão em 2015 e 2016, e pelo que sei o time teve receita suficiente para ter caixa nesses dois anos não declarados, inclusive custeado pelo Grupo Gestor.

Cadê o balanço de 2015 e 2016?

Internautas, alguém sabe me dizer?

Turma das chapas, alguém se pronuncia?

Que Deus salve o Verdão dessa bagunça!

COMPARTILHAR
Dalena Júnior
Dalena Júnior é natural de Ituiutaba, formado em fisioterapia na cidade de Santos (SP) e uberlandense de coração. Assíduo em estádios de futebol, foi comentarista de programas esportivos locais no interior paulista nos anos 90.

DEIXE SEU COMENTÁRIO