Vagas para a Série D

 

Acompanho atentamente as mídias sociais em que os torcedores do Uberlândia Esporte Clube interagem e vejo que ainda há muita dúvida dos torcedores com relação a vagas para a Série D do Campeonato Brasileiro.

Em novembro de 2015 a CBF noticiou aos clubes brasileiros que a Série D iria mudar. Além de aumentar o número de vagas, os clubes que iriam participar à partir da edição de 2017 seriam conhecidos antecipadamente.

Para a CBF seria importante devido à logística dos jogos, já que até então ela ficava sabendo o nome de todos os participantes apenas 60 dias antes do início do Campeonato, quando muito, pois alguns desistiam e outros eram indicados em cima da hora. Para elaboração da tabela, ela descumpria o Estatuto do Torcedor, que prevê que deva estar pronta com todos os jogos pelo menos 60 dias antes do início do campeonato.

Então nova para a Série D e como transição, decidiu que os classificados para o campeonato brasileiro da Série D de 2016, também teriam a vaga para 2017.

Com essa regra, o campeonato mineiro de 2016 classificou URT, Caldense e Vila Nova para as duas edições e, portanto, esses três times irão disputar também a Série D de 2017.

À partir daí, a vaga da Série D para o ano seguinte é decidida no campeonato anterior, como exemplo, quem se classificar no Campeonato Mineiro de 2017 disputará a Série D de 2018, e assim por diante.

A CBF também autorizou os Estados a definir 1 vaga nos torneios regionais, desde que constem somente com times da Primeira Divisão (daí a divisão dos campeonatos em primeira divisão Módulo I e primeira Divisão Módulo II em MG e Primeira Divisão A1, A2 e A3 em São Paulo) e que hajam pelo menos 4 times participantes. Em Minas Gerais, há algum tempo, não se consegue organizar esse campeonato, a Taça Minas Gerais.

Essa regra veio em boa hora. O que acontecia anteriormente era uma várzea total: decidiam-se os clubes que disputariam a Série D, como dito acima, poucos dias antes do campeonato começar. Muitos Clubes eram pegos de surpresa pela classificação no campeonato mas não tinham condições e nem intenção de disputar a Série D, desistiam e a burocracia e demora desta desistência fazia com que outros Clubes desistissem também por estar em cima da hora do campeonato. Não foi raro ver Estado não nomeando Clube algum e a CBF tendo que escolher Clube de outro Estado para disputar o campeonato.

O Clube se preparava mal, porque geralmente faz contrato até o término do campeonato e depois tinha que remontar o elenco para a Série D.

Com a mudança, os clubes já sabem quase 1 ano antes que vão disputar a Série D, podem se preparar financeiramente para o campeonato, e o que é melhor, podem montar seus elencos com contratos mais longos, o que facilita no momento de contratar os melhores jogadores no mercado e, por outro lado, torna mais barata essa contratação, pois um jogador que vai assinar um contrato de 4 meses sempre leva em conta que depois deste período ele pode ficar desempregado e eleva o pedido salarial. Um jogador que sabe que o Clube tem calendário cheio e o contrato é mais longo, pode escolher jogar naquele Clube com um salário menor, pois ele ganha na quantidade de meses e não fica parado.

Enfim, essa mudança foi boa para todos: a CBF já sabe em dezembro do ano anterior quais Clubes vão disputar a Série D do ano seguinte, pode preparar sua logística e a tabela do campeonato com antecedência cumprindo o Estatuto do Torcedor, e os Clubes podem se preparar por 1 ano para disputar a Série D, fazendo um planejamento diferente daqueles que tinham apenas poucos dias para decidir se iam disputar o campeonato e se fossem montar como dizemos aqui no interior, “no susto” um time para disputá-lo.

COMPARTILHAR
Fernando Luis Pereira Lima
FERNANDO LUIS PEREIRA LIMA , Bacharel em Direito pela UFU, com Pós Graduação em Direito Civil também pela UFU e Direito Desportivo, Gestão Esportiva e Marketing pela Trevisan Escola de Negócios SP, Ex-Diretor das Categorias de base do Uberlândia Esporte Clube e elaborador de diversos projetos pela Lei de Incentivo ao Esporte Federal, para o UEC, Palmeiras SP, USP e Associação Saque de Ouro - Marcelo Negrão.

DEIXE SEU COMENTÁRIO