Forte intervenção no basquete nacional: bom ou ruim?

A Federação Internacional de Basquete (FIBA) suspendeu a Confederação Brasileira de Basquete (CBB) de quaisquer competições internacionais. Tal situação imediatamente afetou os times do Flamengo e do Bauru, campeão e vice do Novo Basquete Brasil (NBB) de 2015-16, pois ambos ficariam de fora da Liga das Américas.

Muitos profissionais, principalmente ligados aos dois times, reclamaram da condição de “pagar o pato”, já que a punição não é restrita à seleção brasileira. Entretanto, jogadores, treinadores e membros da Liga Nacional de Basquete (LNB), concordam que era necessário tomar uma medida drástica sobre a forma em que a CBB lidava com o basquete nacional.

Patrick Baumann, secretário-geral da FIBA, alegou “falta de controle total” da CBB e suspendeu todas as atividades da entidade até o dia 28 de janeiro. Nesta data, uma nova avaliação da situação será feita, podendo-se estender ou revogar a suspensão. Alex, ala-armador da Seleção Brasileira, comentou sobre o caso: “A gente já viu muitas coisas acontecerem, é difícil falar. A suspensão não é à toa, e se a CBB fez coisas erradas, ela tem que pagar” – concluiu.

cambraia
Alexander Blackwell, à esquerda, e Cambraia (Foto: Arquivo Pessoal)

A equipe do Manchete Esportiva conversou com o campeão nacional de 2004 e campeão sul-americano de 2005 pela UNITRI, Luis Henrique Miranda, mais conhecido como Cambraia. Ouça o podcast:

 

COMPARTILHAR
Pácis Junior
Pácis Júnior é cineasta, diretor da série humorística Piadorama, e documentárista. Foi diretor do programa Resenha, do Futebol Uberlândia, e hoje é coordenador da Manchete Esportiva.

DEIXE SEU COMENTÁRIO