Ruiter entra forte na briga por medalha no Rio 2016

Superação e muita força de vontade são alguns dos segredos para que o goiano Ruiter Silva, de 23 anos, consiga ganhar uma medalha logo em sua primeira participação em Jogos Paralímpicos.  Desde 2009, ele adotou Uberlândia como a sua casa. Depois de defender o Praia Clube, por três anos, o nadador veste agora a camisa do  Clube Desportivo para Deficientes de Uberlândia (CDDU), no qual é treinador pelo técnico Felipe Maia. A maior parte de sua preparação para os jogos está sendo realizada na Educação Física da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Ruiter irá disputar os 50m e 100m livres, além do revezamento 4 x 100 livre.  O foco maior será os 100m livres, mas o interesse pelos 50m livre cresceu bastante depois que o nadador bateu o recorde brasileiro desta prova. O nadador assume que a sua maior possibilidade de medalha estará na disputa do revezamento 4×100 livre. “A minha ideia é ganhar uma medalha no revezamento. Eu quero ficar entre os três primeiros colocados, independentemente da cor da medalha, isso já seria espetacular”, disse.

Ruiter Silva tem maiores chances de medalha no revezamento 4x100 livre
Ruiter Silva tem maiores chances de medalha no revezamento 4×100 livre

Ruiter parte para o Rio de Janeiro para as disputas que acontecem entre os dias 12 e 14 de setembro.

Ídolo

A paixão pela nação não poderia vir por acaso. Ruiter se inspirou e teve como espelho um dos grandes paratletas da natação brasileira, José Afonso Medeiros, nadador que chegou ser recordista mundial dos 50m borboleta. Para conquistar o objetivo de conquistar uma medalha no Rio 2016, Ruiter não tem vida fácil.

“Treino entre quatro a cinco horas por dia, somando todas as atividades: piscina, musculação, pilates e fisioterapia. A intensidade dos treinamentos agora é mais intensa, mas, partir da semana que vem, começam a diminuir para o corpo descansar um pouco”, disse Ruiter que é o primeiro atleta de Catalão a disputar uma Paralimpíada.  “Defenderei, com muito orgulho, a bandeira de duas cidades maravilhosas, casos de Catalão e Uberlândia”, afirmou.

COMPARTILHAR
Eder Lúcio
Eder Lucio é jornalista formado no Centro Universitário do Triângulo (Unitri) e tem especialização em Jornalismo Esportivo. Trabalhou por oito anos como repórter do Jornal Correio de Uberlândia, no qual participou de coberturas jornalisticas na região e por todo o Brasil.

DEIXE SEU COMENTÁRIO