Ufaaaa… Nos devolveram o Futebol!!!

No ultimo domingo, dia 21 de agosto, foi apagada a Pira Olímpica no Maracanã. Cerimônia que encerra os Jogos Olímpicos do Rio. A maior festa do esporte, com participação recorde de 206 países representados, além de uma equipe de refugiados e atletas independentes. Uma verdadeira overdose diária de esporte, suor, dedicação, dor, luta, esforço, superação e glória.

Tantos passaram por aqui, nestas duas semanas de jogos, Bolt, Serena, Thaiza, Ketie Ledecky e Djokovic. Ann Fraser-Pryce, Michael Phelps, Tedy Riner, Robert Sheidt, Alison e Bruno.  Kevin Durant, Tiago Braz, Isaquias, Flavinha, Rafaela, Felipe Wu e o mentiroso Ryan Lochte. Tinha até Marta, Neymar, Formiga e Weverton, além de tantos outros nomes, brasileiros e gringos. Em destaque a inédita e até que, enfim, conquista do ouro olímpico no futebol. Mas não é exatamente de futebol olímpico que vamos tratar hoje. Preferi, hoje, destacar o nosso apaixonado futebol de clubes. Depois dessa epopeia esportiva, voltamos ao nosso velho e bom Futebol.Torcedor Brasileirão

Mesmo sem a interrupção do Campeonato Brasileiro durante a Rio 2016, nossas atenções foram desviadas para as mais de 28 modalidades esportivas, enquanto o que mais sentimos falta era de apenas uma. Sim, o futebol de quarta, quinta e domingo. E vale a observação que alguns sentiram falta do futebol de segunda. Para todos, menos alguns, algo completamente desconhecido, para outros, fato prolixo e repetitivo e corriqueiro.

O foco volta a ser nosso futebol de rivalidade, de curtição e de torcida. Vai dizer que não sentiu falta do futebol, mesmo com Neymar, Marta e companhia, estarem nos representando nos Jogos Olímpicos? Sentimos sim, e muita falta. É hora, de muitas reclamarem: “Aneim”… Hoje tem futebol de novo? “Sim… Tem e se reclamar amanhã tem outra vez”.

Essa é a nossa alma, nossa razão e nossa torcida. Torcer pelo seu clube e contra seu rival. Esse espírito volta à tona. É deixado de lado o espirito olímpico e volta à cena o torcedor paixão.

Não aquele baderneiro que gosta de confusão, mas o torcedor de verdade, que grita, pula e vibra. Xinga, cobra e incentiva, aplaude e também vaia quando algo não vai muito bem. Vira “técnico” a ponto de orientar os jogadores do seu time, seja no alambrado, na arquibancada ou até pela TV, imagina só?! É cada maluco vestido de torcedor, mas que sente o coração vibrando como uma bateria de escola de samba, quando seu time chega perto do gol. E esse torcedor, desculpe os outros esportes, só o Futebol tem. É mágico e inexplicável. É Futebol, puro e simples Futebol.

É hora torcer e gritar pelo Adebar ou apenas Santos (goleiro do Atlético-PR), Neuciano ou se preferir, grite “Cicinho” que ele atende (lateral do Peixe). Grite e vibre com o Dankler (zagueiro do Botafogo) e Frickson Erazo (zagueiro do Atlético-MG) ou ainda com o Rogisvaldo, também conhecido como Nem (volante do Figueirense). Torça e brique com os Diegos, Robinhos, Grafite e Prato. Cleber, Fred, Rafael e Casares. Guerreiro, Gabriel, Luan e Arrascaeta, e muitos outros personagens, gringos ou “made in Brazil”, mas estrelas do nosso velho e bom Futebol Brasileiro. Ahh como esse “tar” de futebol nos faz falta… Grande Abraço e que Deus nos abençoe! Somos Todos Menos Alguns….

Siga @LeoEnderson no Twitter e também no Instagram.

leoenderson@mancheteesportiva.com.br

COMPARTILHAR
Leo Enderson
Leo Enderson tem 39 anos e é formado em Administração e Logística pela Universidade Anhanguera. É repórter e apresentador da Rádio América de Uberlândia, curte rock'n'roll e futebol. Aprendiz de chef de cozinha e árbitro de futebol de campo, formado pela LUF/FMF. E-mail: leoenderson@mancheteesportiva.com.br

DEIXE SEU COMENTÁRIO