Gabriel Fidelis fala sobre o mito Michael Phelps

Michael Phelps prova a cada momento ser mesmo um dos maiores fenômenos da história do esporte mundial. O anúncio da aposentadoria veio logo depois termino da Olimpíada de Londres (2012) e seu retorno às piscinas confirmado há cerca de dois anos. O maior medalhista da história dos Jogos Olímpicos chegou ao Rio 2016 com certo olhar de desconfiança da crítica especializada e de seus fãs. Apesar do tempo afastado do esporte e da idade considerada um pouco avançada para a natação de competição, 31 anos, Phelps vem dando resposta à altura. Até a noite da última quinta-feira (11), o mito das piscinas conquistou o ouro nas quatro provas em que disputou: revezamentos 4x200m livre e 4x100m livre, 200m borboleta masculino e os 200m medley.

O nadador do Praia Clube Gabriel Fidelis, bicampeão brasileiro dos 200m peito, treinou por dois anos em Baltimore (EUA) com Michael Phelps. Os dois se tornaram amigos e Gabriel conta para o Manchete Esportiva que já esperava um grande desempenho do ex-companheiro nesta Olimpíada.

“Eu sempre soube que ele se destacaria nos jogos Olímpicos. O Michael não é o tipo de atleta que vai a uma olimpíada para perder. Mas ele me surpreendeu na prova dos 200 medley, pois abriu dois segundos em cima do segundo colocado e isso é muita coisa, quando falamos de natação, ele realmente está um nível acima dos demais”, disse Fidelis.

Agachados, Michael Phelps, de camiseta azul e Gabriel Fidélis de boné
Agachados, Michael Phelps, de camiseta azul e Gabriel Fidélis de boné

Gabriel Fidelis tem uma visão diferente sobre o olhar da crítica em relação à Phelps. “Não acredito que ele tenha chegado sob desconfiança, já que ele fechou 2015 com os melhores tempos do mundo nos 100m e 200m borboleta e 200 medley. O Bob Bowman, que é seu treinador, é especialista quando se fala de Olimpíada. Eles treinam praticamente há quatro anos diretos para competir. Seu objetivo sempre foi o Rio2016 e agora ele está mostrando ao mundo porque é o maior de todos os tempos”, afirmou.

Uma das maiores virtudes de Phelps, segundo o nadador praiano, é a concentração e determinação diária. “Para mim não é uma surpresa essa volta em grande estilo dele. Eu estive lá (Baltimore) por 2 anos. A partir do dia que ele decidiu que iria treinar para os jogos você podia ver a sua determinação diária, seu poder de concentração e foco, que são uma das suas maiores conquistas, além de trabalhar bem sob pressão. Essas são ferramentas imprescindíveis para um atleta de alto nível e ele as domina. É um privilégio ter feito parte disto é ter vivido nesta geração”, disse Fidelis.

 

COMPARTILHAR
Eder Lúcio
Eder Lucio é jornalista formado no Centro Universitário do Triângulo (Unitri) e tem especialização em Jornalismo Esportivo. Trabalhou por oito anos como repórter do Jornal Correio de Uberlândia, no qual participou de coberturas jornalisticas na região e por todo o Brasil.

DEIXE SEU COMENTÁRIO